sábado, 8 de junho de 2013

Como a minha relação com as cores mudou



A alguns meses atrás minha amiga Karen (do blog MACmaníaca) passou a se aperfeiçoar no melhoramento de outra dimensão da aparência humana. Além de maquiadora, ela agora é  também consultora de imagem. Enquanto ela fazia seu curso, durante as nossas conversas, pude perceber que é uma área que se preocupa com aspectos diversos da imagem do indivíduo. Há uma atenção  com os tipos de roupas que mais valorizam cada formato de corpo,  assim como é pensada a espécie de imagem que a pessoa quer passar, também leva em consideração o estilo de vida e a profissão, e até mesmo traços psicológicos do analisado. E, além destes pontos todos, o consultor analisa a pele, os olhos e cabelos, afim de encontrar a paleta de cores que mais valoriza este indivíduo em particular.
 
Quando ela me chamou para que fizesse a análise em mim eu já possuía uma ideia do que seria, mas ainda não imaginava que a entrevista que antecedia a análise do meu corpo seria tão detalhada. A entrevista ajudou a Karen a perceber meu estilo, além das minhas necessidades cotidianas. Achei interessante perceber que se eu afirmasse que tal tipo de roupa eu jamais usaria a Karen se mostrou uma pessoa delicada o suficiente para me indicar se era o caso da tal roupa me valorizar, mas também soube respeitar as limitações que não abri mão. Após a entrevista a Karen analisou a minha pele sob a luz solar, que é a mais neutra, para determinar o subtom, e também verificar o tom das minhas sardas e eventuais manchas. Ela também observou detalhadamente meus olhos e cabelos. Ela mediu meu corpo e verificou as proporções, como por exemplo a relação entre meus ombros e meus quadris.

Karen e eu somos a amigas há algum tempo, e ela já me maquiou várias vezes, portanto ela já tinha alguma intimidade com as minhas cores e já desconfiava qual paleta me favoreceria mais. No seu blog ela explica algumas noções da relação da pele com as cores aqui e aqui. Segundo a Karen  eu possuo cores suaves, e o subtom da minha pele é azulado. Embora eu possua sardas em tons acobreados, e possua detalhes na minha íris em tons quentes, ela me explicou que o subtom da pele é mais importante no momento de determinar quais cores que me favoreceriam mais pois é o que chama mais a atenção. Dentro deste quadro, a Karen me indicou que a paleta que me favoreceria mais é a chamada Verão.  A abordagem de se determinar uma paleta de cores segundo  cores quentes ou frias, vivas ou esmaecidas , tem  uma tradição que relaciona as paletas  com uma determinada estação do ano. Creio que faz mais sentido em lugares em que a mudança das estações é mais perceptível. Aqui em Belo Horizonte pelo menos não há muita diferença, por exemplo, entre a primavera e o outono, acho que percebemos apenas as estações secas e chuvosas.

Voltando à minha paleta, quando a Karen  me indicou que era a Verão isso significou que as cores que me favorecem são aquelas que possuem o azul no fundo, são cores frias portanto, e são também suaves, pois cores muito fortes e contrastantes poderiam sobressair demais na minha pele considerada suave. Esta última observação é essencial, pois segundo a Karen o que deve aparecer é a pessoa, e não a roupa. Portanto, se a roupa recebe o elogio isso não é o ideal, quem tem que aparecer é a pessoa e não a peça de vestuário. Tal afinidade pelo azul, como a Karen me explicou, não significa que a minha paleta seja monocromática, ou entediante, pelo contrário, eu possuo praticamente todas as cores no meu esquema de cores, porém todas com um tom frio e suave. Até amarelo, o que honestamente me surpreendeu.

Parece que é preto mas não é, é azul marinho ou cinza escuro
Muitas das cores não foram surpresa para mim, sempre me senti atraída por algumas delas e tinha várias peças de roupas dentro da paleta, aliás a maioria. Mas confesso que houve surpresas. A primeira  surpresa que me expulsou da zona de conforto foi a ausência do preto. Embora o preto não esteja entre as cores que mais me desvalorizam, a minha pele não suporta o imenso contraste que a cor preta trás ao conjunto. Aí me dei conta que instintivamente eu já percebia isso, sempre que usava preto passava também um batom de cor forte como tentativa de trazer a atenção para meu rosto.  Perdi o medo dos rosas e vermelhos mais intensos e vibrantes, especialmente daquele rosa azulado conhecido como "orquídea". Antes eu só possuía turquesa nos acessórios, passei a comprar roupas neste tom, assim como outros tantos tons de azuis que passaram a receber minha atenção. Rosas esmaecidos e envelhecidos passaram a serem considerados por mim, e são tons que, muitas vezes podem ficar sem graça em muitas pessoas, funcionam bem com a minha pele. Redescobri o cinza e percebi que ele é uma cor que facilmente confere um aspecto elegante. O esquema de cores também se aplica às bijouterias, embora não eu precise abrir mão do dourado, sei que o prateado fica melhor em mim.


Aprendi que não preciso desistir de certas cores, como o preto, mas se eu quiser pensar um conjunto que me valorize eu preciso coordenar as cores de acordo com esta intenção. Aliás, intenção é imensamente importante, porque posso por outro lado decidir não atrair atenção e usar um esquema de cores que me desvalorize. Ainda não aconteceu...


A análise de cores além de me ajudar a escolher cores de roupas me ajudou a saber quais cores de maquiagem harmonizariam mais com a minha pele. Para me ajudar saber quais cores estão na minha paleta é fundamental que eu esteja com ela na hora da compra. Por isso ela vive na minha bolsa, ela é relativamente fina e, como se pode ver, é um pouco maior que a minha mão. Ajuda muito ter ela por perto!


Desde a análise tenho ficado mais atenta a coordenar essas cores com o que quero usar. Não são regras inquebráveis de forma alguma, tenho peças na cor laranja, que é uma cor com a qual não fico bem,  mas que gosto muito e uso. Tem sido muito proveitoso ter essa consciência de jogar as cores pensando na relação delas com a mensagem que quero mandar através da minha roupa naquele momento. Às vezes pode ser passar a impressão de seriedade, ou cuidado de si,  ou apenas conforto, ou segurança,  ou simplesmente me sentir bonita. Percebi uma reação muito boa desde que passei a usar a paleta nas minhas escolhas, de fato recebo mais elogios.  Enfim, é mais uma ferramenta para que eu  module o que as outras pessoas pensarão de mim de acordo com a minha intenção, e, afinal, o objetivo ao se vestir não é este?

6 comentários:

  1. Adorei o post. Voto em vc fazer mais desse tipo!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Brena! <3
    Estou com várias ideias neste sentido!
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Seguir as cores da paleta é inclusive uma decisão inteligente e econômica, pois assim paramos de comprar peças em cores que nos desvalorizam. Muitas vezes, achamos a cor bonita e ela fica bem numa amiga ou na vitrine. Porém, quando compramos peças nesses cores, nunca vestimos. Provamos , mas nunca saímos com elas e fica aquela impressão de que há algo errado. Comigo sempre acontecia e eu não sabia pq. Quando compramos na paleta, tudo combina com tudo. Só lembrando que na sua paleta há tons de marrom e bege rosados, então ela é de base azulada e rosada! Adorei o post, ficou muito legal. Falta vc mostrar num próximo como vc fica com cores que te valorizam e com as que não valorizam! BJ

    ResponderExcluir
  4. Ei Karen!
    Eu também acho que tem este aspecto econômico, ajuda a evitar peças encostadas, que muitas vezes foram compradas por impulso motivadas pelas razões que você apontou.
    Não coloquei como "rosadas" porque considerei que o rosa também é um derivado do azul, o que vc acha?
    Obrigada! Quis descrever este processo que foi tão legal para mim! Você sabe o quanto sou grata, e o quanto sua opinião é importante para mim.
    Já cheguei até a tirar algumas fotos usando lenços com cores que valorizam e desvalorizam, mas achei que como eu estava usando maquiagem isso poderia atrapalhar a mostrar o quanto a cor influencia. Mas de qualquer forma está nos meus planos! bjo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, faz sentido, embora nem todo mundo saiba da presença do azul nos tons de rosa frio. Lembrando ainda que seu rosa é frio, azulado, não o tipo de rosa puxado para o laranja ou amarelados, como pêssego e salmão. Sobre os lenços, o melhor é fazer as fotos sem maquiagem mesmo, para ficar mais visível e influência. bj

      Excluir